15 de set de 2010

A verdadeira etnia de Mona Lisa


Hoje cedo no ônibus, vindo para o trabalho, me deparei com uma moça morena do cabelo back power. Aqui em Belém elas são raras, por alimentarmos o padrão de beleza universal. Talvez por termos mais pessoas de pele morena do que de pele branca, mais gente de cabelo encaracolado que de cabelo liso (como a insatisfação é inerente ao ser humano...), acabamos valorizando mais o padrão europeu, o norte americano (infelizmente). 

Eu não. Acho lindo o black power da Vanessa da Mata (só ainda não consegui assumir o meu, que ainda tá meio "Ana Carolina"), aquele negro azulado de tão escuro, dreads, indumentária afro, a musicalidade (o Carimbó paraense é um exemplo dessa forte influência)...


Viva o afoxé, o agogô, o atabaque (que preciso aprender a tocar!!!), a capoeira, o vatapá, o azeite de dendê, o batuque, o candomblé e as milhares de outras marcas da nossa miscelânea cultural, do nosso sincretismo filosófico-religioso... 


Viva a africanidade! Waka waka! 



Informação importante: Etnia ou grupo étnico é, num sentido amplo, uma comunidade humana definida por afinidades linguísticas e culturais e semelhanças genéticas. Estas comunidades geralmente reivindicam para si uma estrutura social, política e um território.
A palavra etnia é usada muitas vezes erroneamente como um eufemismo para raça, ou como um sinônimo para grupo minoritário.

Embora não possam ser considerados como iguais, o conceito de raça é associado ao de etnia. A diferença reside no fato de que etnia também compreende os fatores culturais, como a nacionalidade, a afiliação tribal, a Religião, a língua e as tradições, enquanto raça compreende apenas os fatores morfológicos, como cor de pele, constituição física, estatura, traço facial, etc.

Recado assoprado: "Você só precisa existir pra me completar..."

4 comentários:

Lis. disse...

É Flávia,

Parece que você anda meio atarefada, e tem sobrado-lhe -as vezes- um tempo para perceber determinadas coisas que lhe agradam.

Dar-se conta de si é -ao meu ver- algo muito importante. Digo-o por conhecer muitas e muitas mulheres negras insatisfeitas com o cabelo que tem.

Gente que simplesmente "odeia" o cabelo, e não mede nenhum esforço puxando-o, esticando-o, fazendo em cima dele um verdadeiro inferno.

"Quando uma pessoa não se ama...
Como poderá ser amada por outro?

Deve ser muito doloroso quando uma pessoa quer se transformar, para ser amada(o) antes sem se amar primeiro.

É algo para se pensar...

Cumprimentos.

ps. Se quiser adicionar-me:
luis_boa@hotmail.com

Dom Rafa disse...

Ó a coincidência: abri a caixa de comentário e começou uma propaganda do Carrefour com um povo usando Black Power... As influências africanas na nossa cultura merecem serem mais divulgadas. Um dia a Globo fará uma novela com pai de santo, macumba, batuque e o Tony Ramos falando em Yoruba e tudo se resolverá. Porque sinceramente, os CAPISCE que eu ouço desde Terra Nostra já me encheram a paciência.

Enfim... Ótimo post!
Beijos!!

Anônimo disse...

Comentário cantado:

"Eu canto, eu canto
Por poder te ver
No céu, no céu
Como um balão
Eu canto e sei
Que também me vez
Aqui, aqui
Com essa canção..."

(Estrela, estrela - Kleiton e Kledir)

L.S. Alves disse...

Black power. Tem gente que fica linda assim, mas o que sempre me conquista é cabelo cacheado mesmo. De preferência compridos. Porque? Não faço a mínima idéia, mas não gosto dessa moda de chapinha todo dia.
Um abraço moça.