28 de nov de 2012

"Palavras, apenas..."


Algumas pessoas não sabem, mas as palavras atraem. Uma nova amizade, um relacionamento, um dia incrível ou até mesmo uma topada

Redondas, meio deitadas, pequenas, corridas. Digitalizadas ou não, elas, as letras, carregam consigo um poder incrível de sedução. Algumas palavras, de tão elegantes, parecem calçar salto alto.

Só entende quem já recebeu uma carta de alguém muito querido pelo correio. Ou sorriu ao ler aquela sms inesperada bem no meio de um dia corrido.

Nada mais brochante que conhecer pessoalmente alguém cheio de atributos interessantes e, na primeira teclada, se deparar com erros primários, pontuação fora de lugar ou total ausência dela. #ACABOUAMORNAHORA

 

Elas podem unir quem está distante... 





 



E separar quem está bem perto. 




E às vezes não adianta gritar, o outro simplesmente não vai entender. A não ser que você use as palavrinhas mágicas.


 
 

Podem te transportar para outros universos. 



 


Ou te cravar os pés em uma nova realidade.





Não importa a língua, nem a quantidade de letras do alfabeto. As palavras são, desde os primórdios, a invenção humana mais perfeita, por nos permitir entender uns aos outros além do que o corpo possa traduzir.

Se viram música, livro, ciência ou poesia também pouco importa. Sei que dentro de mim, elas sempre acabam virando crônicas...

 

27 de nov de 2012

Deixar-se levar...


Cadê menina solta, de cabelo solto, de idéias a toas e boas?
Cadê morena branca, de bandeira branca, sem brigar consigo?
Cadê a moça solta, de sorriso solto, de pestana viva e sincera?
Cadê os olhos negros de perder o medo da paixão platônica?

Deixa a maré te levar morena
Deixa a poeira baixar

Você vai rir de você morena, quando esta onda passar
Deixa a maré te lavar morena
Deixa o tempo chegar
Deixa eu servir desse dia em cada momento,no seu lugar
Ê, morena branca!

Troca teus planos, larga teus panos e vem terminar
Num outro lugar teus pés pisar
Morena branca
Deixa os enganos de todos os anos e saia a pescar
Teus sonhos e tudo que der pra fisgar

Cadê menina solta, de cabelo solto, de idéias a toas e boas?
Cadê morena branca, de bandeira branca, sem brigar consigo?
Cadê a moça solta, de sorriso solto, de pestana viva e sincera?
Cadê os olhos negros de perder o medo da paixão platônica?

Deixa a maré te levar morena
Deixa a poeira baixar

Você vai rir de você morena, quando esta onda passar
Deixa a maré te lavar morena
Deixa o tempo chegar
Deixa eu servir desse dia em cada momento,no seu lugar

Ê, morena branca!
Troca teus planos, larga teus panos e vem terminar
Num outro lugar teus pés pisar

Morena branca
Deixa os enganos de todos os anos e saia a pescar
Teus sonhos e tudo que der pra fisgar...

["Morena Branca" - Gisele Di Santi]


19 de nov de 2012


Arcana cordis mei



*os segredos do meu coração,
em latim.

14 de nov de 2012

Os homens e as pontes



Nunca tive tanta certeza de que as pessoas entram em nossas vidas por um motivo. Às vezes aparentemente bobo, como te fazer gostar de comida japonesa ou ensinar a mascar chiclete no avião para diminuir o incômodo da pressão causada pela altura. Mas, quase sempre, esse alguém nos traz missões importantes, que nos levam a novos caminhos e - consequentemente - a outras missões. 

Me desfazendo de qualquer clichê, comparo a vida a um jogo de videogame. Você passa por várias fases até chegar no chefão. A diferença é que no jogo só existe um chefão. Já na vida... É preciso saber identificá-los. 

Mas, voltando aos 'links humanos', ontem soube através de uma amiga que uma pessoa muito querida conseguiu uma proposta de emprego incrível através de alguém que eu apresentei. E detalhe: essas duas pessoas se odiaram no primeiro momento. Então se tornaram amigas e hoje uma delas vai embora para outro estado, deixando essa sementinha, a possibilidade de crescimento profissional.

Lembrei que uni duas pessoas que hoje estão casadas há uns 5 anos, com filho e tudo. Uma malhava na mesma academia que eu e da outra fui vizinha e amiga durante a adolescência. Hoje não tenho contato com mais ninguém.

E quanto aquelas pessoas que você conhece, de quem se torna grande amiga e, um belo dia, percebe que se tornaram mais próximas de um ex ou de outros amigos nossos do que um dia já foram de você? [Isso quando não namoram / casam]


Tudo isso me remeteu à teoria dos 6 graus de separação. Originado através de uma pesquisa norte americana, a teoria usou cartas para comprovar que precisamos de, no máximo, seis laços de amizade para que duas pessoas quaisquer estejam ligadas. Alguém recebia uma carta identificando a pessoa alvo e deveria enviar outra para outro alguém que tivesse a mínima chance de conhecê-la. Até que a mensagem chegasse à pessoa alvo e esta, por sua vez, enviasse uma última carta aos responsáveis pelo estudo.

A teoria dos 6 graus de separação é de 1967. Aí vocês me perguntam: e agora, na era das redes sociais? Bem... a resposta vocês conferem aqui. Mas adianto logo, pra quem tem a esperança de ter um rolo com a Madonna ou com o Jonny Depp, que um estudo da Universidade de Milão em parceria com o Facebook revelou que a distância caiu de 6 para 4,74 graus. :D



A vida é realmente IMPRESSIONANTE. E quanto a vocês? Quem tem uma história como essa pra contar? Compartilhem! :)

11 de nov de 2012

E se nada der certo, a gente escreve uma crônica.




Num dos nossos maravilhosos passeios, minha amiga Claudiana e eu conversávamos sobre a vida. Namoros frustrados, sentimentos, solteirice. Bate-papo gostoso, enquanto aguardávamos o começo do documentário "Música para os olhos" sobre Cartola [super recomendo!]. Até que surge uma proposta indecorosa [minha - claro! Uma sandice daquela só poderia ter partido de mim...rs]:

- Vamos para uma boate. A ideia é não sair de lá enquanto as duas não estiverem acompanhadas.

- Beleza! *Não sei se ela gostou mesmo da ideia ou preferiu topar para não contrariar a louca.

 - E se nada der certo, a gente escreve uma crônica.

Bem... eis-me aqui. Precisa perguntar o resultado? 

Brincadeira! É óbvio que ninguém colocou o plano em prática. Eu queria mesmo era compartilhar a conversa insana. E dizer que, nessa brincadeira de solteira feliz, já se passaram 4 meses. 

Quero mesmo é escrever sobre o que tenho vivido. Toda essa experiência de soleirice tem rendido verdadeiras teses de doutorado!


O plano não foi colocado em prática, mas convite para o safari é o que não falta. E o de ontem foi para uma tal de "festa grega". Nunca compreendi tanto Renato Russo como com relação ao trecho "festa estranha com gente esquisita" de Eduardo e Mônica! 

Parecia uma selva, em pleno centro da capital. E os predadores [adolescentes, em sua maioria] farejando, principalmente, beleza e sexo. Tudo isso enquanto fingiam estar mais preocupados em se divertir, dançando feito epiléticos e bebendo como se não houvesse o amanhã. Patético.

Percebi ontem que já não tenho mais idade pra isso. Talvez nunca tenha tido...

Antes não me dava conta do quão vazio o mundo está. Afinal, estava sempre acompanhada. Além do que, a vida até então tinha sido demasiadamente generosa comigo, colocando em meu caminho pessoas especiais e romances consecutivos. Tinha, portanto, uma espécie de ilusão de que era um ímã que atraía agulhas no palheiro...rs

4 meses e mais nenhuma agulha. Já crônicas...