28 de abr de 2012


Não sei que é mais ilusório

se a saudade ou a esperança

pois ambas são memórias engendradas no tempo

a primeira no tempo passado

a segunda no tempo futuro –

a memória gira transtemporal

assim...

como num carrossel de ilusões.

(Wanda Monteiro)

19 de abr de 2012

Cuidar.



Venho me perguntando, há alguns dias, qual o real significado da palavra cuidar. Num desses dicionários online encontrei os mais malucos sinônimos: cismar, cogitar, discorrer, matutar, meditar, pensar, ponderar, raciocinar, refletir... e até ruminar!

Quando gaúcho diz "cuida!", ele quer dizer pra você prestar atenção no que está fazendo. Seja na hora de atravessar a rua ou pra que você perceba algo errado que pode estar fazendo. 

Mas nenhum desses significados tem a ver com o que eu penso ser o verdadeiro "cuidar". 

Cuidar vem de cuidado, que - por sua vez - significa ter cautela, prestar atenção. Se eu vou ter uma conversa importante com alguém, preciso ter cautela para usar as palavras certas. Se eu amo alguém que não quero machucar, devo prestar atenção no que faço ou deixo de fazer para que essa pessoa não se machuque. Isso é cuidar.

Todo mundo aprende desde cedo a expressão "tomar cuidado". Depois cresce e aprende a tomar de tudo, da tequila à cachaça. Mas cuidado, que é bom, nada.

Talvez a expressão que melhor defina "cuidar" é "se importar". Querer saber se a pessoa está bem é se importar. Se questionar se a outra pessoa está feliz é se importar. Não olhar apenas para o próprio umbigo, "enxergar" a pessoa que está ao seu lado. Ligar no meio do dia só pra perguntar "você está bem?".  Tudo isso é se importar. Quem se importa, cuida. E cuida quem se importa.

Ao contrário do que muita gente pensa, cuidar não é só dar carinho. É brigar também. Se preocupar se o que a pessoa que você ama está fazendo o certo e se não estiver, dar um puxão de orelha. Até começar uma discussão, se preciso for. Quem briga, cuida também. E as mães estão aí para comprovar esta teoria.

Cuidar é a lição número 1 do amor. Que o diga O Pequeno Príncipe. Ninguém ama sem cuidar, cuida sem se importar e nem se sente amado sem o cuidado de outra pessoa. Ou vira o oposto do amor: a indiferença.

Cheguei à conclusão de que cuidar é um verbo fácil de se compreender. 

Difícil mesmo é de se conjugar...