14 de mai de 2009

A razão


Já fez um mês e 4 dias que ela se foi, minha vozinha. E ainda não consigo acreditar. Nunca aceitei o fato de que esse dia - inevitavelmente - chegaria. E mesmo nos momentos de maior lucidez - quando me permitia pensar na hipótese - sempre achava que ainda não estava perto. "Quando eu for para os Estados Unidos...", ela dizia. E eu sempre retrucava: "A senhora não é nem doida!"
Gostava de compará-la à Dercy Gonçalvez, de vê-la tão ativa cozinhando, conversando com a família, indo a festas, novenas... Tenho foto dela no meu aniversário de 23 anos, que foi num videokê (local fechado, com fumaça de cigarro entranhando em tudo quanto é póro e música altíssima)! Por aí dá pra imaginar como ela era, não é mesmo?
86 anos de muita, mas muita palhaçada. Vovó era gaiata que nem eu. Aliás, sou gaiata que nem ela!
1º de abril ela pegou todo mundo lá em casa, menos a mim. Eu a enganei! Hahahaha! Preciso guardar todas essas boas lembranças para momentos como esse, quando a saudade bate e o desespero de querer vê-la, abraçá-la de novo, toma conta de mim.
Dona Olívia. O elo da família. Nunca disse isso a ela (sempre vai ter tido algo quea gente não disse, não fez...), mas ela foi a razão de tudo ter acontecido. Se não fosse por ela, eu não estaria aqui, escrevendo este post. Não existiria mamãe, minhas tias, meus primos. Se bem pensarmos, ela não se foi por completo. Deixou um pedaço dela conosco. Costumes, frases, histórias... genes. Cada um de nós é um pouquinho do que ela foi. E ainda é. Em nossos corações, no céu, nos "Estados Unidos"... :)
E foi assim que descobri a razão de Deus ter inventado a família.

11 de mai de 2009

Cor-respondência

Remeta-me
os dedos
em vez de cartas de amor
que nunca escreves
que nunca recebo.
Passeiam em mim estas tardes
que parecem repetir
o amor bem feito
que você tinha mania de fazer comigo.
Não sei amigo
se era seu jeito
ou de propósito
mas era bom
sempre bom
e assanhava as tardes
Refaça o verso
que mantinha sempre tesa
a minha rima
firme
confirme
o ardor dessas jorradas
de versos que nos bolinaram os dois
a dois
Pense em mim
e me visite no correio
de pombos onde a gente se confunde
Repito:
Se meta na minha vida
outra vez meta
Remeta.

(Elisa Lucinda)

"O que obviamente não presta sempre me interessou muito. Gosto de um modo carinhoso do inacabado, do malfeito, daquilo que desajeitadamente tenta um pequeno vôo e cai sem graça no chão."

(Clarice Lispector)


7 de mai de 2009

Poesia Matemática - Millôr Fernandes

Às folhas tantas do livro matemático um quociente apaixonou-se um dia, doidamente, por uma incógnita. Olhou-a com seu olhar inumerável e viu-a, do ápice à base. Uma figura ímpar; Olhos rombóides, boca trapezóide, corpo otogonal, seios esferóides. Fez da sua uma vida paralela a dela, até que se encontraram no infinito. "Quem és tu?" indagou ele, com ânsia radical. "Sou a soma dos quadrados dos catetos. Mas pode me chamar de Hipotenusa." E de falarem descobriram que eram - o que, em aritmética, corresponde a almas irmãs - primos-entre-si. E assim se amaram ao quadrado da velocidade da luz Numa sexta potenciação, traçando, ao sabor do momento e da paixão, retas, curvas, círculos e linhas sinoidais. Escandalizaram os ortodoxos das fórmulas euclideanas e os exegetas do universo finito. Romperam convenções newtonianas e pitagóricas. E, enfim, resolveram se casar, constituir um lar. Mais que um lar, uma perpendicular. Convidaram para padrinhos o Poliedro e a Bissetriz. E fizeram planos, equações e diagramas para o futuro, sonhando com uma felicidade integral e diferencial. E se casaram e tiveram uma secante e três cones muito engraçadinhos. E foram felizes até aquele dia em que tudo, afinal, vira monotonia. Foi então que surgiu o Máximo Divisor Comum, freqüentador de círculos concêntricos. Viciosos. Ofereceu-lhe, a ela, uma grandeza absoluta e reduziu-a a um denominador comum. Ele, quociente, percebeu que com ela não formava mais um todo, uma unidade. Era o triângulo, tanto chamado amoroso. Desse problema ela era a fração mais ordinária. Mas foi então que o Einstein descobriu a Relatividade e tudo que era expúrio passou a ser moralidade. Como, aliás, em qualquer sociedade.

À minha vozinha linda

Gostaria de dedicar este blog à minha vozinha Olívia, que tanta falta tem me feito... De onde ela estiver, espero que saiba o quanto a amo e espero que esteja feliz. Lembro todos os dias de suas histórias, piadas, truques, orações, comentários, canções, alegria, costumes, lucidez. Vozinha, te amo pra sempre! Sua benção!