25 de nov de 2009

A aluna e o professor




- Maria, me perdoe, mas você se veste como adolescente. Não parece ser madura o suficiente para assumir esse cargo da minha empresa. – disse João à Maria.

João é professor. Maria, estudante de jornalismo. Ela pleiteia uma vaga na empresa dele.

- Perdoe-me, professor, mas roupa não reflete personalidade.

- Defendo a teoria de que toda pessoa reflete, sim, por fora o que é por dentro – disse, torcendo o pescoço enquanto ajeitava a gravata.

- Até pareceria convincente, professor, caso eu não conhecesse grandes homens, pesquisadores da Universidade Federal do Pará, que de longe parecem mendigos. Pra mim, isso de “roupa reflete personalidade” é discurso capitalista, pós-revolução industrial, professor.

- Não me referi à posição social, querida aluna.

- Se você não entendeu, querido professor. Eu também não me referia à posição social. Homens feitos, mulheres maduras não necessariamente precisam se vestir social, falar formalmente – a não ser dentro da empresa que trabalham... e isso, dependendo da profissão ou do cargo que ocupam.

- Ta certo, Mariazinha. Como dizem os grandes cientistas Albert Einstein e Newton, respectivamente: “Tudo é relativo” e “tudo depende do referencial adotado”.

- Ta errado, Joãozinho. Albert Einstein inventou – de fato – a teoria da relatividade. E ela engloba essas suas duas afirmações. Já Newton criou três leis:
  • 1ª lei - Inércia: Todo corpo continua em seu estado de repouso ou de movimento uniforme em uma linha reta, a menos que seja forçado a mudar aquele estado por forças imprimidas sobre ele.
  • 2ª lei - Dinâmica: um corpo em repouso necessita da aplicação de uma força para que possa se movimentar, e para que um corpo em movimento pare é necessária a aplicação de uma força.
  • 3ª lei – Ação e reação: A toda ação há sempre oposta uma reação igual, ou, as ações mútuas de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas a partes opostas.

- Portanto, professor, para usar com eficácia as três de Newton, o senhor deveria sair da inércia e estudar mais, aplicar uma força na sua empresa para que ela se movimente adiante e lembrar-se de que para toda uma ação, há uma reação, antes de abrir a boca para falar abobrinhas.

[...]

- E quer saber mais? Uma empresa dessas cujo dono vai atrás de argumentos científicos quando os dele acabaram, um professor que não entende nem das matéria do ensino médio, não merece uma funcionária nem uma aluna como eu!

E foi assim que Maria mudou de faculdade.


20 de nov de 2009

Blog(s) perfeitinho(s)

TODOSOSDIAS UMA SURPRESA DIFERENTE!:)

Da minha querida amiga Gabi recebi este meigo selinho! Mais uma vez, fiquei muito feliz e lisonjeada com a surpresa! Ela tá me acostumando mal...rs

Bom, como tradição, devo passar o testemunho a outros blogs, que deverão - assim como farei - responder ao questionário (abaixo).

Mania: Várias. Sou cheia delas! Por exemplo, me balançar enquanto falo, explico, apresento algo.

Pecado capital: Luxúria.

Melhor cheiro do mundo: Gosto de sentir nas pessoas cheirinho de limpeza. Sabonete líquido, shampoo, perfume. É bom.

Se o dinheiro não fosse problema: Eu conheceria o mundo inteiro.

História de infância: Nossa, são tantas! Eu aprontei bastante...rs

O que não gosto de fazer em casa: Na verdade eu não gosto de afazeres domésticos.

Habilidade na cozinha: Comer TUDO que nela é preparado! :D

Frase preferida: Escolherei uma bem legal para colocar aqui, porque são muitas, é difícil escolher.

Passeio para o corpo: A ilha de Algodoal.

Passeio para a alma: Qualquer lugar com minha família e amigos.

O que me irrita: Metódica, ranheta. Quase tudo me irrita. Gente que fala muito alto, que cutuca conversando, programas
imbecis, piadas racistas e preconceituosas, gente que mastiga fazendo barulho... mas o que mais me irrita é a futilidade.

Frases e palavras que mais uso: Expressões sempre surgem, viram moda, depois desaparecem. No momento acho que não tem nenhuma.

Palavrão mais usado: Não gosto de palavrões.

Talento oculto: Se é oculto ainda estou para descobrir!:D

Não importa que esteja na moda, eu nunca usaria: Mini-saia.

Queria ter nascido a saber: o segredo da velhice.

E os blogs PERFEITINHOS são:

- bipolaridades (http://gabi-bipolaridades.blogspot.com/)

- Can you read my mind? (http://raissabiolcati.blogspot.com/)

- aquinomundo (http://aquinomundo.blogspot.com/)

- Universo Verbal (http://gabrielleavelar.blogspot.com/)

- Essência Abstrata (http://ideiasassoltas.blogspot.com/)

17 de nov de 2009

Uma tática diferente...



Ontem saí do trabalho no horário costumeiro e não quis pegar um fresquinho (o transporte é mais rápido e confortável, mas muito caro). Então peguei uma linha comum mesmo, um a das duas que não costumam encher até meu destino. Lá no fundão sentei ao lado de uma mulher magra, franzina, cabelos curtos e expressão de cansaço, abatimento. Um menino dormia (ou descansava) com a cabeça em seu colo. Ela tinha em mãos uns papéis desses que são distribuídos por pedintes nos ônibus. "Deve ter distriuído e agora volta pra casa", pensei.

Ela me olhou, olhou para os papéis. Me olhou novamente, olhou para os papéis. "Ih... acho que ela vai me dar um desses recadinhos", retruquei comigo mesma. Não deu outra. Ela entregou o papel a mim e a um rapaz que sentava no banco da frente (talvez para disfarçar). Dei R$1,00 a ela, que me agradeceu com um sorriso bastante simpático. Que bom. Nada pior que fazer uma doação e receber um olhar de "só isso?", seguido de nenhum agradecimento.

De um silêncio sepulcral, um comentário dela:

- Esses ônibus só vem lotados, né?

- Até que esse e o Canarinho não passam muito lotados. Por isso costumo pegá-los.

Começamos a conversar. Nos primeiros instantes a observava com olhos de Paulo Roberto (meu professor de jornalismo impresso I e II), lembrando de seus sábios conselhos: "Prestem muita atenção em tudo e em todos, pois de momentos comuns às vezes surgem grandes perfis". Ele é fã de perfis - reportagens especiais sobre alguma personalidade, famosa ou não. Uma espécie de biografia.

De ônibus lotados, e com meu interesse jornalístico aflorando a cada segundo, passamos a falar dela, mais especificamente. Quantos filhos tem, como sobrevive, onde mora, etc. Após abortar naturalmente duas vezes, ela conseguiu ter duas crianças: um menino (que estava com ela naquele momento), o mais velho, e uma menina (que ela deu para uma família de melhor condição financeira). Sobrevive de esmolas que pede nos ônibus.

- E dá pra viver com o que você ganha?

- Dá sim! Eu compro leite, açúcar, pão... E ainda tenho sorte pra achar as coisas! Outro dia esse aqui passou por uma nota de R$10,00 e não viu. Eu corri e agarrei! Disse pra ele: 'Meu filho, quer comer churrasquinho?' e ele respondeu: 'Quero, mãe!', aí a gente foi comer. E é assim...

Um dos maiores erros de um jornalista é se envolver com as fontes.  A regra é: apurar, relatar e informar. Notícias, notícias, sentimentos à parte. Certo? Marinheira de primeira viagem, ignorei o ditame e continuei.

- Vocês tem o que comer hoje, quando chegar em casa?

- Não... - disse com o olhar mais brilhoso de cachorro pidão que já havia recebido - Mas ainda vou distribuir esses papéis...

- Espera.

Tirei uma nota de R$2,00 da bolsa e entreguei a ela.

- Só não te dou mais porque não tenho, tá?

- Obrigada, moça!! Que Deus lhe abençoe, lhe dê muita saúde, lhe dê em dobro! Deus lhe recompense!

Eu levantei do banco me sentindo a personificação do altruísmo. Meu coração transbordava de uma estranha alegria. Havia feito minha boa ação do dia e ninguém precisaria saber. Até porque, sempre acho que quando alguém conta o sentido da boa ação vai por água abaixo. De altruísmo passa a ser demagogia.

Quando levantei, um senhor sentou em meu lugar. Dei o sinal e fiquei esperando a parada em pé na porta, ainda perto da mulher. Alguns segundos antes de descer, escuto a voz da nossa personagem:

- Esses ônibus só vem lotados, né?

[...]

E por falar em estratégias publicitárias...rs
Bom, se foi tática - mesmo que inconciente - valeu pela sapiência. Afinal de contas, o "eu poderia estar roubando, poderia estar matando, mas estou aqui pedindo qualquer quantia em dinheiro..." já não cola mais, né, gente?

10 de nov de 2009

ESTRATÉGIAS PUBLICITÁRIAS


Outro dia me flagrei em frente à um marreteiro da praça da república, admirando uma baby-look falsificada de uma determinada marca. O preço não me encheu os olhos tanto quanto ela: o dobro de qualquer camisa daquele estilo. Tinha uma malha vagabunda gritando "vou besbotar em no máximo três lavagens!", mas os pobres ouvidos consumistas foram  adquirindo um estranho hábito de não tomar banho mais ou menos desde a  rimeira revolução industrial, sabe? Aí eles às vezes não escutam bem. Por sorte, os meus haviam sido limpos um dia antes e escapei dessa por pouco. Quem já estudou as estratégias publicitárias ou mesmo parou para tentar entender o que acontece nos meios de comunicação, conhece bem todo tipo de manipulação das empresas em cima de seu alvo: nós, as marionetes!

Mas será que somos tão fáceis assim de persuadir? Adorno e Horkheimer certamente diriam que sim. Paulo Freire tentaria provar que não, contrapondo a teoria da agulha hipodérmica ("compre batom", e o consumidor levanta do sofá feito um zumbi e vai atrás do produto) à da comunicação dialógica (via de mão dupla, interatividade). 

Doutrinados ou não pelos meios de comunicação de massa, é inegável que sofremos influências da propaganda. Uma logomarca chamativa, um slogan inteligente, algumas flores em cima da informação e lá vamos nós atrás do glamour que acreditamos comprar junto com a grife. E a sacada do R$0,99? Nunca tinha visto nada mais idiota e eficaz em toda minha vida! Como um centavo a menos pode nos dar a impressão de mais barato?

Por que algumas marcas de boa qualidade não conseguem barrar a concorrência das mais famosas? A diferença está inacreditavelmente no pequeno "tick" preto do seu tênis ou no puma saltando em sua camisa. É a dura realidade: você trabalha seis, oito horas por dia, espera ansiosamente pelo no final do mês quando pagará com dificuldade, mas muito prazer, - a primeira parcela daquele vestido fantástico, a mais nova tendência do ano. E se acha o máximo por aderir à massificação, entrar na "moda" e poder ser alguém melhor neste mundo de "você é o que tem".

Não é discurso de pobre. Não digo isso por não ter um gatinho sem boca na minha roupa. Nem sequer gosto dele. Mas aprecio a criatividade de algumas logomarcas, slogans. De verdade. Só não me faça concordar com toda essa exploração mercadológica! Aí já é pedir demais.

Qual a solução? Como simples mortal, que estuda, trabalha e também é por vezes levada pela maré publicitária, respondo: Se nem a guerra fria e os revolucionários socialistas não conseguiram combater o capitalismo, então nos resta apenas ter um pouco mais de consciência e seguir em frente. Ou melhor, dobre à sua direita e encontrar o revendedor mais próximo de sua cidade. Ou ligue para 3255-7000/8000/9000... quantos mil você achar que deve. A quantia fica por sua conta. Digo, na minha conta!

9 de nov de 2009

A pessoa errada




Pensando bem, em tudo o que a gente vê, e vivencia, e ouve e pensa, não existe uma pessoa certa pra gente. Existe uma pessoa, que se você for parar pra pensar, é na verdade, a pessoa errada. Porque a pessoa certa faz tudo certinho: chega na hora certa, fala as coisas certas, faz as coisas certas.Mas nem sempre precisamos das coisas certas. Aí é a hora de procurar a pessoa errada. A pessoa errada te faz perder a cabeça, fazer loucuras, perder a hora, morrer de amor. A pessoa errada vai ficar um dia sem te procurar, que é para na hora que vocês se encontrarem a entrega seja muito mais verdadeira.A pessoa errada, é na verdade, aquilo que a gente chama de pessoa certa. Essa pessoa vai te fazer chorar, mas uma hora depois vai estar enxugando suas lagrimas, essa pessoa vai tirar seu sono, mas vai te dar em troca uma inesquecível noite de amor. Essa pessoa pode não estar 100% do tempo ao seu lado, mas vai estar toda a vida esperando você.A pessoa errada tem que aparecer para todo mundo, porque a vida não é certa, nada aqui é certo. O certo mesmo é que temos que viver cada momento, cada segundo amando, sorrindo, chorando, pensando, agindo, querendo e conseguindo. Só assim, é possível chegar aquele momento do dia em que a gente diz: "Graças a Deus, deu tudo certo!", quando na verdade, tudo o que Ele quer, é que a gente encontre a pessoa errada, Para que as coisas comecem a realmente funcionar direito prá gente.
Nossa missão: Compreender o universo de cada ser humano, respeitar as diferenças, brindar as descobertas, buscar a evolução. 


(Luiz Fernando Veríssimo)


4 de nov de 2009

Viva Mestre Verequete!




O Pará está de luto. Faleceu ontem, (3/11/2009), com grave insuficiência respiratória, o nosso querido mestre Verequete, aos 93 anos de idade.

Autor de 10 discos e 4 CDs, Augusto Gomes Rodrigues, era um dos maiores ícones da cultura - e principalmente do carimbó - paraense.

Ainda neste ano, dia 26 de agosto (considerado, em homenagem ao mestre, dia municipal do carimbó) comemoramos o último aniversário do artista, na praça Waldemar Henrique. Ao som de diversos ritmos paraenses, Christophe, Tami, nosso professor da faculdade e eu nos divertimos imensuravelmente.  Comemos, dançamos, cantamos e aplaudimos o rei dos tambores na hora do parabéns. Teve direito a bolo e tudo.

A imagem do velhinho moreno, com o chepeuzinho branco (marca registrada dele) numa cadeira de rodas em cima do palco - tão frágil, tão querido - não sai da minha cabeça um só instante, me arrancando uma lágrima aqui, outra ali, ao longo do dia.

Talentoso, ele tirava suas próprias músicas de cabeça (até porque, não sabia escrever). E olha que eram muitas! Brincalhão, namorador, um verdadeiro apaixonado por carimbó. Assim era Verequete.

Não, para nós paraenses ele não sei foi. Como todas aquelas pessoas muito importantes em nossos corações. Ele ainda vive e viverá para sempre, levando aos quatro cantos do mundo a nossa cultura, o nosso canto.

VIVA MESTRE VEREQUETE!


3 de nov de 2009

O último suspiro



Sabe quando você fica nostálgica? Hoje fiquei assim, duas vezes. Uma pela manhã, na esteira da academia e outra agora... Depois do almoço. Não, não tomei açaí. Talvez tenha tomado outra coisa: consciência. De vez em quando caio numa espécie de transe e um filme muito louco passa bem em frente aos meus olhos. É a minha vida. Lembro de tudo que fiz; do que não fiz; do que consegui; do que deixei para trás por medo ou por insegurança. Penso em tudo o quanto já vivi, os lugares onde estive. Em alguns pretendo voltar, em outros... apenas foi bom tê-los conhecido.



De repente me enxerguei votando pela primeira vez. Estava nervosa, com medo de errar alguma coisa. Me sentia importante, ao mesmo tempo idiota. Pensava se era possível mudar o mundo. Hoje eu já tenho a resposta e ela não me agrada. Me teletransportei para o condomínio fechado no qual quis morar durante toda minha infân cia e finalmente consegui, vivendo lá por seis anos. Senti exatamente a frustração de não ter sido bem o que eu imaginava. Talvez por ter crescido... por não ter feito muitas amizades (apesar de uma ter durado até hoje). Me vi tomando banho de piscina com mamãe, meus tios, meus primos, amigas e até minha avó. Em relação a vários fatores, posso dizer que fui feliz ali.Mas sabe quando gasta? Quando é hora de seguir em frente?



Numa questão de instantes, me enxerguei de cabelo longo, liso, negro, naquela mesma esteira... e logo em seguida me vi ruiva, a raiz crespa crescida, o rosto aredondado, gordinha. Tive muita vontade de emagrecer e consegui. Como consegui, graças a Deus, quase tudo que quis nessa vida.  Frases desconexas, imagens desconexas. As vozes das pessoas que amei, as aparências, os trejeitos, até os cheiros e o sentimento que tive por elas. Tudo voltou numa fração de segundos e diminui a frequência da esteira. Um cansaço descomunal me invadiu. Precisei respirar. Foi como uma morte... não-física... não-espiritual. Talvez tenha sido o último suspiro da menina que um dia residiu em mim.

Selo de reconhecimento - Blogs premiados


OBRIGADA, GABI!

[[Prémio criado pelos blogs Osho-br e Koyanisqatsi]]

Esta postagem vai, em primeiro lugar, em homenagem à minha querida amiga Gabi, por me presentear com o lindo selo de reconhecimento (ao lado direito deste blog). Obrigada, Gabi! O Escarlate e eu adoramos a surpresa!
Agora devo repassá-lo a outros bloggeiros merecedores do prêmio:

http://gabi-todososdias.blogspot.com/

http://gabi-bipolaridades.blogspot.com/

http://ideiasassoltas.blogspot.com/

http://myroseblack.blogspot.com/

http://maquinadeletras.blogspot.com

Quero agradecê-los por me proporcionar tão bons momentos de leitura e dizer que os blogs não estão em ordem de importantância. Ok?

Beijinhos escarlates a todos, com muito carinho!!