30 de abr de 2011

Santa Semana Santa...



Era só uma brincadeira...

"Amor, vamos viajar na semana santa?", disse com uma vontade enorme de que fosse verdade e eu pudesse realmente te ver. Ainda que por um curto espaço de tempo.

Mas, incrível: virou realidade. No dia 21 de abril, às 16:30h, eu estava partindo num avião da TAM, com destino a Porto Alegre.Como foi pra gente decidir e programar tudo tão rápido, eu já nem me lembro. Agora tudo que tenho em minha memória é teu rosto, o olhar lindo que ganhei ao te avistar (de cartolinha e gravata!!!) enquanto aguardava minha mala chegar pela esteira (foram os dez minutos mais longos da minha vida), o perfume forte que senti no teu abraço (acabaste com metade do vidro, no mínimo), os dias incríveis que passei ao teu lado.

Essas lembranças, sim. Permanecem vivas dentro de mim. Todo o resto, antes daquela quinta-feira e após o dia 9 de janeiro (quando foste embora), foi apagado. Mesmo os momentos maravilhosos que passamos do nosso jeitinho de estar junto não se comparam ao prazer de te ter do mesmo lado que eu do país.

Nesses 3 dias e meio (a contar das 23:30h da quinta, 21/04, às 13:30h da segunda, 25/04) dei um passo importante no nosso relacionamento: conheci teus pais, descobri como é o lugar no qual vives, tua cidade, casa, quarto. Olhei nos olhos, finalmente, das tuas pessoas e compreendi por que te são tão importantes. Ouvi histórias de família, contei algumas. Soube um pouco mais sobre a metrópole que me lembra Belém e, ao mesmo tempo, quase não parece fazer parte do Brasil. E senti uma mistura paradoxal de estranheza  e familiaridade. Louco!

Logo na primeira noite, a certeza de que moraria ali. Mais do que isso: a assustadora comprovação de que era aquele o lugar - que até então só existia em meus sonhos - ao qual eu sempre pertenci. 

O impasse: Eu querendo ir para lá e você querendo vir para cá.

E agora?!