25 de jun de 2010

Atrasada ou tarde (ficticiamente metafórica)



Estudava numa faculdade que mais parecia aquela música infantil: "Era uma casa muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada". 

Não tinha muros e eu sempre alertava à coordenação: "Um dia isso aqui ainda vai ser assaltado!" Mas sempre precisa acontecer algo ruim para que a realidade seja modificada. Regra.

Quis demais que as salas tivessem ar condicionado e os vidros das portas fossem fumê para não nos distrair quando, durante as aulas, alunos e professores passeavam olhando pra dentro (alguns até faziam "tchauzinho"). Mas era sempre no mês seguinte que dariam um jeito naquilo.

A rádio comunitária nunca conseguiu um transmissor. O projeto de TV nunca saiu do papel. O jornal impresso nunca publicou uma só página. E assim se passaram os quatro anos do meu curso de comunicação. 

Hoje, após 4 anos de curso e mais alguns meses afastada, voltei ao local e eis meu espanto: muro alto, imponente. Nas salas, o vidro fumê. E, ao conversar com alguns professores e conhecidos a maior de todas as surpresas: o centro de radiodifusão havia sido criado. Mídia impressa, TV, rádio e até portal!

O que dizer quando você luta tanto por determinadas mudanças e, quando você não está mais lá para usufruir, elas finalmente acontecem?

Paciência, né?!

18 de jun de 2010

Coisas que você deve dizer para a sua alma gêmea



Disse que não acreditava em almas gêmeas para ela. Mas depois de um certo tempo, começou a duvidar de suas próprias convicções. Talvez existisse isso mesmo, essa sorte de encontrar pessoas certas. Nunca confessara a ninguém, mas começou a acreditar em destino, tinha vergonha da gozação que fariam seus amigos. Mas sabia que ninguém que cruzasse seu caminho estava ali por mero acaso. Mas sim, para ensinar alguma coisa, para nos transformar, ou fazer com que ajustemos falhas, erros, ou simplesmente paremos para pensar. 

Sozinho, fumando o seu cigarro, mexia com o dedo indicador o copo de vinho que sempre o acompanhava em algumas noites de solidão, quando batia aquela saudade, quase dor, a espetar-lhe o coração como se espeta um boneco de vudu. Fazia algum tempo que sua mulher o deixara.

Era tão estranho a sua ausência, mas lembrar não lhe fazia tão mal. Ao contrário. Tudo havia sido tão especial desde o início que até o primeiro beijo foi inusitado. Menos de três frases trocadas, nada mais que cinco minutos de conversa boba e lá estavam duas línguas entrelaçando e dois corpos entrando em combustão. Aquele beijo durara a noite inteira... E no dia seguinte já era difícil não querer um pouco mais.

Não acreditava em amor à primeira vista. Isso não, nunca acreditou. Talvez por isso tenha enxergado tanta verdade neste encontro: foi amor à segunda vista. Eles já se conheciam, mas nunca imaginaram tal cena. E assim, fez-se fulminante, colossal o novo encontro. É como se aquelas almas estivessem se reconhecendo, e entendendo que precisavam ficar juntas.

Talvez por simplesmente não saber por que logo ela, por que ele, ou como aconteceu, que explicação dar ao que não é lógico, é que o amor nasceu tão rápido. E os 'eu te amos' escorriam com tamanha facilidade  e conforto, como as juras, planos e vislumbres de futuro. E o fez pensar nas tais almas gêmeas. Pobre cético. Fez-lhe o amor tornasse um bobo, crente em qualquer desses romantismos baratos.

Difícil entender como certas pessoas entram nas nossas vidas, pra que, por quê? O quão estranho é descobrir certas coisas que só uma alma gêmea poderia ter em comum. Parece bobo, mas eles comiam pastilhas do mesmo jeito no cinema, roendo pelas pontas, era assim. E sempre estiveram muito perto, nos mesmos lugares, conheciam muitas pessoas em comum, mas não se tinham olhado diferente. Ela não comia verduras, nem ele. Iam à peixaria e pediam carne. E ele se pega pensando em alguma coisa, que ela na mesma hora, falava. Ela fazia isso, e com o tempo os dois estavam numa sincronia maluca de falar o que o outro estava pensando. Só poderia ser alma gêmea, ele pensava. Mas os mais românticos diriam que não. Não poderia ser, eles estavam separados e almas gêmeas não se separam. O destino trata de colocá-los juntos. Mas ele não podia acreditar nessa bobagem.

Não sabe se era o vinho que o deixava alto, ou a saudade que muitas noites apertava-lhe o peito mais do que ele deixava. Mas ele não achava que alma gêmea era aquela que necessariamente iria ficar com você a vida inteira, e sim aquela que te completa, seja lá o tempo que fique em sua vida. É aquela que nunca terá substitutos, que mesmo sem querer, sem fazer o mínimo esforço, será inesquecível e terá como aliada uma saudade eterna, que mesmo sem doer, insistirá em lhe visitar vez por outra. Ela se tornará referência, e vai fazer com que os próximos relacionamentos, por melhor que sejam, nunca ganhem o título de perfeitos e nunca o façam desacreditar que aquela era a que você mais amou.

É provável que você nem case com a sua alma gêmea, mas com certeza a ama a ponto disso. Planeja de coração e quer mais do que com todas as outras que passarem por seu caminho. É provável que vocês terminem com uma briga avassaladora, daquelas que deixar mágoas fortíssimas, mas depois de algum tempo o único sentimento que terão é a saudade. Alma gêmea é aquela que todo mundo diz que é igual a você, é quando todos ao seu redor associam à você e fica estranho vê-los separados. Parece que ninguém mais que você arranjar, por mais gentil e amável que seja, irá combinar. E até você acha isso. Talvez você se case com outra e seja feliz, muito feliz. Ame, seja amado. Mas vai sempre ter a certeza de que a tal da alma gêmea não é a sua esposa. Se um dia perder a sua alma gêmea, talvez seja triste e saudoso, mas saberá que pelo menos um dia teve em seus braços o amor da sua vida.

O vinho estava no final, a noite também. A carteira de cigarros já havia secado e ela, nem suas roupas e fotos estavam mais ali. Mas o gosto de tudo isso ainda ficara. Olhou para o céu estrelado de sua sacada e como um místico, crédulo e apaixonado agradeceu a Deus por ter encontrado o que muitos procuram a vida inteira em vão. Agradeceu ter vivido isso e ter feito, arriscado e dado tudo o que poderia para aquela relação. Já havia conseguido ter em seus braços a mulher de sua vida. Ameaçou pegar o telefone para dizer-lhe tudo isso. E o fez. Ela deve ter sorrido do outro lado, pelo semblante meio tímido e feliz enquanto conversavam. E foram, cada um em sua cama, dormir em paz.

(Autor desconhecido)

10 de jun de 2010

Árvore Genealógica

  • Mãe, vou casar!
  • Jura, meu filho ?! Estou tão feliz ! Quem é a moça ?
  • Não é moça. Vou casar com um moço. O nome dele é Murilo.
  • Você falou Murilo… Ou foi meu cérebro que sofreu um pequeno surto psicótico?
  • Eu falei Murilo. Por que, mãe? Tá acontecendo alguma coisa?
  • Nada, não.. Só minha visão que está um pouco turva. E meu coração, que talvez dê uma parada. No mais, tá tudo ótimo.
  • Se você tiver algum problema em relação a isto, melhor falar logo…
  • Problema ? Problema nenhum. Só pensei que algum dia ia ter uma nora…Ou isso.
  • Você vai ter uma nora. Só que uma nora… Meio macho. Ou um genro meio fêmea. Resumindo: uma nora quase macho, tendendo a um genro quase fêmea…
  • E quando eu vou conhecer o meu. A minha… O Murilo?
  • Pode chamar ele de Biscoito. É o apelido.
  • Tá ! Biscoito… Já gostei dele… Alguém com esse apelido só pode ser uma
    pessoa bacana. Quando o Biscoito vem aqui?
  • Por quê ?
  • Por nada. Só pra eu poder desacordar seu pai com antecedência.
  • Você acha que o Papai não vai aceitar?
  • Claro que vai aceitar! Lógico que vai. Só não sei se ele vai sobreviver
  • Mas isso também é uma bobagem. Ele morre sabendo que você achou sua cara-metade… E olha que espetáculo: as duas metade com bigode.
  • Mãe, que besteira … Hoje em dia … Praticamente todos os meus amigos são gays.
  • Só espero que tenha sobrado algum que não seja… Pra poder apresentar pra tua irmã.
  • A Bel já tá namorando.
  • A Bel? Namorando ?! Ela não me falou nada… Quem é?
  • Uma tal de Veruska.
  • Como?
  • Veruska…
  • Ah !, bom! Que susto! Pensei que você tivesse falado Veruska.
  • Mãe!!!
  • Tá…, tá…, tudo bem… Se vocês são felizes. Só fico triste porque não vou ter um neto…
  • Por que não ? Eu e o Biscoito queremos dois filhos. Eu vou doar os
    espermatozóides. E a ex-namorada do Biscoito vai doar os óvulos.
  • Ex-namorada? O Biscoito tem ex-namorada?
  • Quando ele era hétero… A Veruska.
  • Que Veruska ?
  • Namorada da Bel…
  • Peraí”. A ex-namorada do teu atual namorado… E a atual namorada da tua irmã. Que é minha filha também… Que se chama Bel. É isso? Porque eu me perdi um pouco…
  • É isso. Pois é… A Veruska doou os óvulos. E nós vamos alugar um útero.
  • De quem ?
  • Da Bel.
  • Mas logo da Bel?! Quer dizer então… Que a Bel vai gerar um filho teu e
    do Biscoito. Com o teu espermatozóide e com o óvulo da namorada dela, que é a Veruska…
  • Isso.
  • Essa criança, de uma certa forma, vai ser tua filha, filha do Biscoito,
    filha da Veruska e filha da Bel.
  • Em termos…
  • A criança vai ter duas mães : você e o Biscoito.E dois pais: a Veruska e a
    Bel.
  • Por aí…
  • Por outro lado, a Bel…,além de mãe, é tia… Ou tio…. Porque é tua irmã.
  • Exato. E ano que vem vamos ter um segundo filho. Aí o Biscoito é que entra com o espermatozóide. Que dessa vez vai ser gerado no ventre da Veruska com o óvulo da Bel. A gente só vai trocar.
  • Só trocar, né? Agora o óvulo vai ser da Bel. E o ventre da Veruska.
  • Exato!
  • Agora eu entendi! Agora eu realmente entendi…
  • Entendeu o quê?
  • Entendi que é uma espécie de swing dos tempos modernos!
  • Que swing, mãe?!
  • É swing, sim! Uma troca de casais… Com os óvulos e os espermatozóides, uma hora no útero de uma, outra hora no útero de outra…
  • Mas...
  • Mas uns tomates! Isso é um bacanal de última geração! E pior… Com incesto no meio!
  • A Bel e a Veruska só vão ajudar na concepção do nosso filho, só isso…
  • Sei! E quando elas quiserem ter filhos...
  • Nós ajudamos.
  • Quer saber? No final das contas não entendi mais nada. Não entendi quem vai ser mãe de quem, quem vai ser pai de quem, de quem vai ser o útero, o espermatozóide… A única coisa que eu entendi é que…
  • Que?
  • Fazer árvore genealógica daqui pra frente… vai ser f…!

    (Luiz Fernando Veríssimo)

7 de jun de 2010

The Winner takes it all

The Winner Takes It All

I don't wanna talk
About the things we've gone through
Though it's hurting me
Now it's history

I've played all my cards
And that's what you've done too
Nothing more to say
No more ace to play

The winner takes it all
The loser standing small
Beside the victory
That's a destiny

I was in your arms
Thinking I belonged there
I figured it made sense
Building me a fence
Building me a home
Thinking I'd be strong there
But I was a fool
Playing by the rules

The gods may throw a dice
Their minds as cold as ice
And someone way down here
Loses someone dear
The winner takes it all.
The loser has to fall
It's simple and it's plain.
Why should I complain?

But tell me does she kiss
Like I used to kiss you?
Does it feel the same
When she calls your name?
Somewhere deep inside
You must know I miss you
But what can I say
Rules must be obeyed

The judges will decide
The likes of me abide
Spectators of the show
Always staying low
The game is on again
A lover or a friend
A big thing or a small
The winner takes it all

I don't wanna talk
If it makes you feel sad
And I understand
You've come to shake my hand
I apologize
If it makes you feel bad
Seeing me so tense
No self-confidence
But you see
The winner takes it all
The winner takes it all...

Someone dear...
Takes it all...
The loser ...
Has to fall...
Throw a dice...
As cold as ice...
Someone way down here...
Someone dear...
Takes it all...


"Mamma Mia". Um filme simples, de roteiro mais simples ainda. Assisti ano passado (acho) no cinema e foi uma grata surpresa. Apesar de "água com açucar", não é nem um pouco cansativo e ainda te arranca boas risadas e até algumas lágrimas (bom... eu sou um pouco suspeita quanto a isso...rs). É do tipo que te deixa leve, achando que a vida é exatamente como o roteiro: simples. A cena mais linda foi essa do clipe.
Obs: Meus outros dois cantinhos não existem mais (por enquanto), então vou mesclar meus desatinos  musicais e meus pensamentos psicodélicos aqui ao Escarlate. :)

3 de jun de 2010

Surpresa virtual

Recebi este e-mail no dia 1º de junho de Daniel Leite:


Oi, Flávia, boa-tarde, uma amiga me falou que havias escrito algo sobre o nosso amado Girândolas no teu blog. Eu fui lá e conferi. Muito obrigado: escreveste uma ternura no coração das lutas desse teu amigo escritor. Obrigado mesmo: de coração. E olha, o teu blog é muito bacana: vermelho iluminado, sol feminino, inteligência acesa!

Um imenso abraço para ti.
Com ternura,
Daniel Leite.
Pequenas grandes me fazem ganhar o dia, simplesmente. Fiquei muito feliz. Primeiro pelas palavras tão carinhosas de alguém tão especial e segundo por saber que meu bloguinho tem alguma repercussão. Às vezes esqueço que faço parte da World Wide Web. :)

Escarlate e eu estamos muito gratos e orgulhosos, Daniel. Grande abraço!

Dodói



Sei que tenho deixado muito a desejar neste blog. 
É que... por motivos ainda não identificados pelos médicos, 
meu processo criativo está doente.