10 de nov de 2009

ESTRATÉGIAS PUBLICITÁRIAS


Outro dia me flagrei em frente à um marreteiro da praça da república, admirando uma baby-look falsificada de uma determinada marca. O preço não me encheu os olhos tanto quanto ela: o dobro de qualquer camisa daquele estilo. Tinha uma malha vagabunda gritando "vou besbotar em no máximo três lavagens!", mas os pobres ouvidos consumistas foram  adquirindo um estranho hábito de não tomar banho mais ou menos desde a  rimeira revolução industrial, sabe? Aí eles às vezes não escutam bem. Por sorte, os meus haviam sido limpos um dia antes e escapei dessa por pouco. Quem já estudou as estratégias publicitárias ou mesmo parou para tentar entender o que acontece nos meios de comunicação, conhece bem todo tipo de manipulação das empresas em cima de seu alvo: nós, as marionetes!

Mas será que somos tão fáceis assim de persuadir? Adorno e Horkheimer certamente diriam que sim. Paulo Freire tentaria provar que não, contrapondo a teoria da agulha hipodérmica ("compre batom", e o consumidor levanta do sofá feito um zumbi e vai atrás do produto) à da comunicação dialógica (via de mão dupla, interatividade). 

Doutrinados ou não pelos meios de comunicação de massa, é inegável que sofremos influências da propaganda. Uma logomarca chamativa, um slogan inteligente, algumas flores em cima da informação e lá vamos nós atrás do glamour que acreditamos comprar junto com a grife. E a sacada do R$0,99? Nunca tinha visto nada mais idiota e eficaz em toda minha vida! Como um centavo a menos pode nos dar a impressão de mais barato?

Por que algumas marcas de boa qualidade não conseguem barrar a concorrência das mais famosas? A diferença está inacreditavelmente no pequeno "tick" preto do seu tênis ou no puma saltando em sua camisa. É a dura realidade: você trabalha seis, oito horas por dia, espera ansiosamente pelo no final do mês quando pagará com dificuldade, mas muito prazer, - a primeira parcela daquele vestido fantástico, a mais nova tendência do ano. E se acha o máximo por aderir à massificação, entrar na "moda" e poder ser alguém melhor neste mundo de "você é o que tem".

Não é discurso de pobre. Não digo isso por não ter um gatinho sem boca na minha roupa. Nem sequer gosto dele. Mas aprecio a criatividade de algumas logomarcas, slogans. De verdade. Só não me faça concordar com toda essa exploração mercadológica! Aí já é pedir demais.

Qual a solução? Como simples mortal, que estuda, trabalha e também é por vezes levada pela maré publicitária, respondo: Se nem a guerra fria e os revolucionários socialistas não conseguiram combater o capitalismo, então nos resta apenas ter um pouco mais de consciência e seguir em frente. Ou melhor, dobre à sua direita e encontrar o revendedor mais próximo de sua cidade. Ou ligue para 3255-7000/8000/9000... quantos mil você achar que deve. A quantia fica por sua conta. Digo, na minha conta!

6 comentários:

Sara disse...

Olá menina Escarlate, concordo contigo em gênero, numero e grau, rsrsrs.
Ouvi uma vez que se não fosse o propósito mercantilista a publicidade poderia ser considerada uma nova forma de expressão artística. Para mim muitas até sã, outras seguem o teor apelativo que convence muito e principalmente muitas. Vejo pessoas que fazem de tudo para ter aquela roupa com o gatinho sem boca sim, mesmo que isso lhe custe o nome, e o pior não se completam por isso. Acabo por lembrar-me de uma frase que completa bem isso do consumismo desenfreado a qualquer custo: “Status é o enfeite usado pelos tolos e apreciado pelos ignorantes!”
bjs

Sara disse...

Ah esqueci-me de um detalhe: o bebezinho da foto é lindo...rsrsrs...bjks

O Profeta disse...

Não sei quem vence!
Não sei quem leva a melhor
Só sei que um sorriso teu
Fez desabrochar das pedra uma flor

Com ela teci um tapete
Engalanei a sombra dos teus passos
Escrevi um derradeiro pedido numa pétala
Rogando a infinita ternura dos teus abraços



Doce beijo

CELLYL disse...

Ola linda, seu blog tb me agrada muito, e gosto de ler textos inteligentes e criativos. Este bebe está lindo demais, mas é bem assim que o capitalismo se estabelece, e coisas que nem sequer aniversariaram pela primeira vez já estão fora de moda,coisas que nos enchem os olhos e esvaziam os bolsos, um modismo meteórico que nos leva a falência, hehehe. Bem, o fato é que em cada época as simbologias de sucesso, de elite, enfim, sempre tiveram marca registrada. Teve época que ser gordinha era sinônimo de riqueza, ser linda (o) e forte de poder para o estado pelo militarismo, enfim, cada época com suas necessidades fundadas, acho mesmo que esta é a diferença de sociedades antigas à nossa, os fundamentos, que hoje estar cada dia com uma blusa diferente nos dá "status", ou trocar de carro todo ano, enfim, tv seja isso, o que nos envolve tb de certa forma, a roupa hoje e todo o contexto mobiliário e imobiliário faz a pessoa, pena isso, por isso sentimos falta de substância, e gritamos, "Onde ela anda???", comprar faz bem sim ao ego, é uma delícia comprar roupa nova, mas isso hoje já não é mais terapia, virou mesmo um vício, nossa, e por falar nisso linda e doce Scarlet, ontem fui passear ao shopping, e tenho uns 10 shorts nas gavetas sem uso, adivinha o que acabei comprando????? Se descobrir te dou um doce, grande beijo no teu coração, está lindo seu blog!

Gabi disse...

Minha querida, o consumismo invade o mundo, é outra forma de colonização, e as pessoas nem dão por isso.. As estratégias são tantas! As técnicas de marketing são de tal forma bem elaboradas que se não tivermos cuidado somos levados a pensar que só o que é caro e mais apelativo é que é bom. Até nos hipermercados se repararmos bem as marcas mais baratas são colocadas nas preteleiras mais baixas onde é mais difícil ver-se o preço, logo as pessoas têm tenência a comprar aquelas que estão ao nível dos olhos e que são sempre mais caras. Bem como outras coisas, por ex: nos anuncios de ténis, fazem quase passar a mensagem que se estes não forem de marca (cara claro), já não servem para correr :). Agora cabe-nos a nós consumidores estarmos atentos e descodificar, ler nas entrelinhas. Adorei o seu "artigo". AQUELE BEIJINHO SEMPRE TÃO ESPECIAL DE TODOS OS DIAS.

nova realidade disse...

Minha amiga, corcodo com vc en parte que o mercado,as ditas novas tendemcias da moda nos dão um empurrãozinho. mas discodo que somos doutrinados pelos meios de comunicação a verdade, deixamos nos levar pelo desejo de cosumo e caribamos em nossa pele as marcas dos nossos protudos preferidos.