25 de nov de 2009

A aluna e o professor




- Maria, me perdoe, mas você se veste como adolescente. Não parece ser madura o suficiente para assumir esse cargo da minha empresa. – disse João à Maria.

João é professor. Maria, estudante de jornalismo. Ela pleiteia uma vaga na empresa dele.

- Perdoe-me, professor, mas roupa não reflete personalidade.

- Defendo a teoria de que toda pessoa reflete, sim, por fora o que é por dentro – disse, torcendo o pescoço enquanto ajeitava a gravata.

- Até pareceria convincente, professor, caso eu não conhecesse grandes homens, pesquisadores da Universidade Federal do Pará, que de longe parecem mendigos. Pra mim, isso de “roupa reflete personalidade” é discurso capitalista, pós-revolução industrial, professor.

- Não me referi à posição social, querida aluna.

- Se você não entendeu, querido professor. Eu também não me referia à posição social. Homens feitos, mulheres maduras não necessariamente precisam se vestir social, falar formalmente – a não ser dentro da empresa que trabalham... e isso, dependendo da profissão ou do cargo que ocupam.

- Ta certo, Mariazinha. Como dizem os grandes cientistas Albert Einstein e Newton, respectivamente: “Tudo é relativo” e “tudo depende do referencial adotado”.

- Ta errado, Joãozinho. Albert Einstein inventou – de fato – a teoria da relatividade. E ela engloba essas suas duas afirmações. Já Newton criou três leis:
  • 1ª lei - Inércia: Todo corpo continua em seu estado de repouso ou de movimento uniforme em uma linha reta, a menos que seja forçado a mudar aquele estado por forças imprimidas sobre ele.
  • 2ª lei - Dinâmica: um corpo em repouso necessita da aplicação de uma força para que possa se movimentar, e para que um corpo em movimento pare é necessária a aplicação de uma força.
  • 3ª lei – Ação e reação: A toda ação há sempre oposta uma reação igual, ou, as ações mútuas de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas a partes opostas.

- Portanto, professor, para usar com eficácia as três de Newton, o senhor deveria sair da inércia e estudar mais, aplicar uma força na sua empresa para que ela se movimente adiante e lembrar-se de que para toda uma ação, há uma reação, antes de abrir a boca para falar abobrinhas.

[...]

- E quer saber mais? Uma empresa dessas cujo dono vai atrás de argumentos científicos quando os dele acabaram, um professor que não entende nem das matéria do ensino médio, não merece uma funcionária nem uma aluna como eu!

E foi assim que Maria mudou de faculdade.


7 comentários:

L.S. Alves disse...

Mudou de faculdade e desistiu do emprego. Certo?

Escarlate disse...

LS. Alves: exatamente, meu caro Watson!rs

Gabi disse...

E será que o professor aprendeu alguma coisa com a aluna? Se não, deveria ter aprendido. Não existe nada pior que rotular alguém pela aparência. AQUELE BEIJINHO SEMPRE TÃO ESPECIAL QUE JÁ CONHECES DE TODOSOSDIAS.

Sara disse...

Mais uma desta sociedade falida, sim falida em muitos aspectos. Nunca devemos nos esquecer que estes pré-julgamentos são atitudes nada maduras e bastante preconceituosas: PRECONCEITO=Ideia ou conceito formado antecipadamente e sem fundamento sério ou imparcial. Gostei muito do fim que teve.
PS: Obrigada pelo comentário.."você me faz tão bem" rsrsrs

Gabi disse...

Minha querida, passei para te desejar um esplêndido fim de semana, e para te dizer que no bipolaridades tenho um presente para ti. Passa lá para retirá-lo. AQUELE BEIJINHO ESPECIAL DE TODOSOSDIAS.

CELLYL disse...

Amém Maria, o que dizer diante de um fato que ainda nos dias de hoje acontecem com tanta frequência????? Personalidade é uma coisa e capacidade outra , vestes personaliza não capacita ou limita, bem enfim, são tantos os fatores que rotulam, na verdade, eu iria mais longe, estigmatizam mesmo, sabe linda Escarlete, esta discussão é longa, nada como uma tirada inteligente de Maria pra amenizar a arrogância do Joãozinho, né??? Beijinhos linda, muito bom como sempre!

Raíssa Biolcati disse...

É, e todos fazem isso, nem que seja uma vez na vida.
Enfim...