27 de jul de 2012

Romance e cinema... no momento certo.

Solteira sim. Sozinha... certamente.

E quem foi que disse que solteirice é se colocar numa vitrine? Já passei dessa fase de buscar desesperadamente um tapa-buraco, sair beijando todas as bocas do mundo e, no final da noite, voltar pra casa porre, sozinha e frustrada porque nenhuma daquelas pessoas era a que você tanto buscava.

É, produção. Estou solteira. E, pela primeira vez na vida, não por escolha própria. :)

Hoje acho que o mais sensato a fazer é olhar pra dentro. A dor muitas vezes funciona como uma descarga elétrica, que te machuca, mas te acorda pra vida. E é como se, de repente, você saísse do automático e todas as sensações lhe fossem novas. Os cheiros, os gostos, as paisagens e até as pessoas que até então eram meras coadjuvantes.

Aprendi com o término do meu primeiro casamento que não adianta sair por aí buscando em terceiros o que você tinha com aquela pessoa. Aliás, é preciso aceitar que NINGUÉM será como ela. Poderá ser menos intenso, mais intenso, melhor ou pior. Igual, nunca mais.

E como os 12 passos do AA, eu vou vivendo um dia de cada vez. Me livrei de 90% das lembranças físicas, cortei contato, excluí das redes sociais e qualquer canal de informação, como a Rádio Cipó (sempre muito eficiente). Afinal, o que os olhos não vêem, os amigos e o facebook nos contam. É preciso evitar.

Uma coisa é fato: a vida sempre faz questão de deixar claro: "só vai acontecer quando você menos esperar". Então, não vou esperar. Não vou esperar que passe o sentimento, que vá embora a dor e muito menos acreditar em possibilidades fantasiosas - que só acontecem em filmes e em romances rodrigueanos.

Eu preciso me reconstruir, limpar minha casa para, um dia, receber o novo. Vou cuidar bem dela e deixá-la bem organizadinha. Até porque, para ocupar o espaço vazio que ficou, só um sentimento tão especial quanto o que antes ali habitava.

"Quando quiser entrar e encontrar o trinco trancado
Saiba que meu coração é um barraco de zinco, todo cuidado"
(Luiza Possi)



3 comentários:

Fênix de Fogo disse...

Recomeçar nem sempre é fácil. Ainda mais em uma situação como a que vc citou. Enfim, mas, tenha CERTEZA, que tudo vai ficar mais brando, com o passar do tempo (dãããã, até parece que estou dizendo algo original...Affy!), e, no que depender de minha luz, pode contar comigo. A Dona Pimenta loguinho estará ardida novamente.
Minha amiga, tudo faz parte do processo de aprendizado pelo qual temos/iremos que passar.
O momento é de cuidar de vc, olhar para vc. O resto?!..Bom, o resto que aconteça naturalmente.
Beijos de Fogo!

L.S. Alves disse...

Boa sorte moça. Que seja breve a sua adaptação.

Flávia Escarlate disse...

Obrigada, Fênix de Fogo e Alves! Também espero que seja breve o processo. (que frio e burocrático...rs).
Na verdade, que seja no tempo certo. Para não pular etapas no processo de aprendizado. :)
Bjs