15 de dez de 2009

۝ Mundos ۝



 Cada um de nós tem um mundo diferente. É como um código genético ou uma impressão digital: Insubstituível. Apesar de compartilharmos sensações e vivências, temos nosso próprio conjunto de células e sinapses. Ninguém jamais saberá como é estar em nossa própria pele. A união de tudo, de todas as percepções, se dá para cada ser de forma única. É daí que vem o prazer em fazer novos amigos. Conhecer alguém é como fazer ou receber uma visita. Alguns tiram o sapato antes de entrar, outros simplesmente vão invadindo. Alguns parecem médicos. Outros, demoram uma vida inteira. Em alguns casos a conversa tá boa, a companhia agradável, mas por um motivo qualquer, é hora de ir embora.

A paixão traz consigo lógica semelhante: Primeiro rola profundo interesse em conhecer aquele ponto turístico, cultura, clima. Você arruma as malas e se manda pra lá. Depois vem a fase da descoberta. Tudo é tão gostoso que nos faz querer viver ali por tempo indeterminado. Até que - num dia qualquer - enquanto você caminha distraída, uma propaganda turística passa do seu lado pela rua e lhe chama a atenção. E lá vai você de novo comprar passagens, fazer as malas, encaixotar as cartas e as fotografias antigas e seguir viagem. 


Será que vem daí a expressão "partir para outra"?

A vida é isso que escreveu Lulu Santos, "um indo e vindo infinito". Mundos diferentes em órbita. Órbitas paralelas que nunca se cruzam, órbitas coincidentes (mãe e filho ou casais que ficam juntos até que a morte os separe), órbitas concorrentes ou perpendiculares (unidas num determinado ponto, para mais tarde seguirem caminhos opostos). Órbitas. Mundos. Galáxias. Quem sabe até uma outra realidade sideral, como discute a física quântica e os loucos da ufologia?

O fato é que ninguém conhecerá por inteiro o mundo de outro, por mais vidente ou paranormal que essa pessoa possa ser. No seu, você - e somente você - conhece suas dores, ânsias e medos mais profundos. Por isso não é válido aconselhar (dar opiniões apenas quando for consultado), não julgar (mas observar bastante) e sim tirar proveito do aprendizado alheio, contentando-se com o que de bom as pessoas têm para lhe oferecer. Quando lhe ofertarem o pior, basta aceitar e fazer dele uma bula de contra-indicações para seguir.

Preserve seu mundo, ele será sua casa para sempre. Conheça-o bem, já que mais ninguém terá capacidade para tal. Respeite seu ecossistema pra que o clima não aqueça além do devido, as geleiras não desmanchem, a matéria orgânica não morra e os sentimentos não guerreiem por ínfimos motivos. 


Visite outros lugares, mas nunca, nunca, se perca em nenhum deles.  

10 comentários:

Gabi disse...

Pois é... lá estás tu a tocar de novo. Comentar para quê? Eu perco-me completamente nas tuas palavras!! E ainda estou a tentar conhecer o meu MUNDO, se é que algum dia vou conseguir conhecê-lo completamente. BEIJOS ESPECIAIS DE TODOSOSDIAS.

Dom Rafa disse...

Sábio conselho. O que mais dizer?...

L.S. Alves disse...

Por isso que eu sempre digo. No fim do dia é a sua cabeça que vai deitar no seu travesseiro, traduzindo, quem tem que decidir é você.
Gostei do texto. Em particular desse pedaço aqui:Visite outros lugares, mas nunca, nunca, se perca em nenhum deles.

LoucoJoao disse...

gostei muito

Sara disse...

ESCARLATE parabéns! Gostei muito desta maneira de descrever nosso conflitos conosco e com o "mundo", eu que me canso as vezes do meu mundo e mergulho no mundo dos outros, e até no seu aqui, mas sempre volto para mim mesma, por mais defeitos que tenhamos é dentro de nós que somos completos ou incompletos, não importa. Não pare de escrever, eu adoro "ouvir" este som...beijinhos.

:. Peron .: disse...

Caramba! O que dizer sobre essa eterna "guerra das galáxias"?, é uma guerra entre os mundos. Guerra feita por pessoas que não entendem que o universo particular não muda de rota. Sempre você será você, por mais que esqueça disso vivendo a vida do outro, ou querendo que vivam a sua.
Adoro viajar, talvez por isso, eu parta pra outra muitas vezes. Adoro fotos antigas, lembrar do passado. Sou uma canceriana de raiz.
Por isso estou sempre vivendo o novo pra ter mais antigas boas lembranças. Adoro acumular conhecimento, por isso viajo muito.
Adorei mesmo, é o que eu tento dizer mas não conseguiria com tanta criatividade e clareza.

Beijos. E muito obrigada pelo teu texto, que pelo que vejo não expressa SÓ o que eu sinto.

Gabi disse...

Querida Flávia, estou aqui para te desejar um muito, muito Feliz Natal, pois vou entrar de férinhas amanhã. Por tal devo ficar afastada do blogue durante algum tempo. Tudo de bom para ti, e para quem mais amas. AQUELE BEIJINHO SEMPRE TÃO ESPECIAL DE TODOSOSDIAS.

Sara disse...

Ei Escarlate, também adoro os pinguins, são amantes fiéis e tudo de bom...fico a espera de suas palavras sobre eles...beijinhos

Flávia Escarlate disse...

>> Alves, obrigada! Tem uma música do Peninha ("Vou levando a vida") que diz: "Quem fala pouco saca tudo, saber ouvir é mais saber..."
Só quem sabe, entende. E "cada um sabe de si", certo? Que bom que gostou.
>> LoucoJoao, obrigada!
>> Dom Rafa, obrigada! :*
>> Gabi, obrigada. Toco por amor... e agora, também, pela maravilhosa sensação de ser escutada. Suas palavras me incentivam a criar novas melodias:)
Acho que nenhum de nós conhece nosso mundo o suficiente (se é que existe algum).
>> É verdade, Peron. O universo particular não muda de rota nunca. Às vezes, as linhas se encontram, seguem juntas, mas... lado a lado, sem jamais se fundir. Obrigada e que bom que traduzi em palavras o que você quis dizer. :) :*

Rodrigo disse...

Meu seu blog é espetacular, show, not°10 desejo muito sucesso em sua caminhada e objetivo no seu Hiper blog
UM grande abraço e tudo de bom
http://maximumforma.blogspot.com/